O Horror de Keddie Resort – Um Caso Macabro Caído no Esquecimento


Keddie é uma pequena cidade nas montanhas do norte da Califórnia. Existiu lá uma comunidade próspera em um resort que atraía as pessoas pela sua beleza natural e da conveniência da estrada de ferro que transportava pessoas entre Salt Lake City e Oakland, Califórnia. Composto por cabanas de madeira, a cidade era um lugar ideal para criar uma família.

 

cabin murders

 

Em 1981, Keddie era uma comunidade unida, onde todos cuidavam de crianças e nunca tinham que se preocupar em fechar suas portas à noite. Por esta altura, a cidade tinha drasticamente em decadência desde a sua formação em 1910, quando um hotel e pousada foram construídos para aqueles que viajam através Keddie. Na década de 1980, o proprietário do resort, Gary Mollath, não teve outra opção a não ser doar algumas de suas cabines para famílias de baixa renda. Haviam também rumores de que existia algum uso de drogas na área, que consistia principalmente de maconha e haxixe. No entanto, os moradores ainda consideravam um lugar decente para criar uma família com rendimentos mínimos. Infelizmente, o assassinato de quatro pessoas chocou os moradores de Keddie e mudou tudo isso em questão de horas.

 

Em 11 abril de 1981 Glenna “Sue” Sharp, uma mãe de 36 anos, estava em sua casa, a Cabine 28. Ela havia concordado em deixar um amigo de seus filhos, Justin, passar a noite com ela e os filhos Ricky (10 anos), Tina (12 anos) e Greg (5 anos). A filha mais velha de Sue, Sheila (14 anos), estava a poucos metros de distância na casa de um vizinho, onde passaria a noite. Filho mais velho de Sue, Johnny (15 anos) e seu amigo Dana Wingate (17 anos), que era conhecido como criador de problemas, estavam na cidade vizinha de Quincy, haviam saido com os amigos na maior parte da noite. Tudo parecia ser uma noite normal e relaxante para a família de Sue Sharp. Mas o que aconteceu aquela noite, mudou tudo.

 

cena do crime

cena do crime

body

 

Ninguém sabe exatamente por que ou como os assassinatos ocorreram. Johnny e Dana voltaram no meio da noite para casa, e com isso acredita-se que quem os trouxelevou os assassinos à casa. O que se sabe é que na noite Sue Sharp, Johnny Sharp e Dana Wingate foram brutalmente assassinados, Tina Sharp foi sequestrada e assassinada, e seus assassinos ficaram impunes por mais de três décadas.

 
O crime foi o ataque mais cruel na história Plumas County. A polícia encontrou marcas de facada nas paredes da cabine e uma grande quantidade de sangue no chão da sala. Os relatórios de autópsia mostraram que todas as três vítimas foram amarrados nas mãos e nos pés, e as amarraras de Sue foram especialmente apertadas. Sue e Johnny foram espancados com um martelo e esfaqueados repetidamente. Dana foi estrangulado até a morte e também esfaqueado.

 

Uma vez que os ataques foram um exagero e parecia de natureza pessoal, muitos acreditavam que a família da Sharp conhecia seus assassinos. A polícia concluiu que Tina foi levada de sua casa a noite e a força. Durante o processamento da cena eles encontraram uma pequena quantidade de sangue no lençol de sua cama. Eles também encontraram uma impressão digital sangrenta em um poste de madeira do lado de fora, no quintal. Em 1984, três anos depois de ter sido raptada, o crânio de Tina foi encontrado em Feather Falls em Camp 18, cerca de 29 quilômetros de Keddie, tornando oficialmente este um assassinato quádruplo. O exame do crânio mostrou que Tina foi provavelmente morta a noite ou logo depois que ela foi sequestrada. A maneira pela qual ela morreu é desconhecida.

 

Quando Sheila Sharp voltou para casa na manhã seguinte, ela abriu a porta da frente e encontrou a visão horrível do corpo de sua mãe deitada sob um cobertor amarelo. Ela também viu os corpos sem vida de Johnny e Dana deitados perto de Sue. Os meninos estavam amarrados a seus pés com fita adesiva e fio elétrico. Sheila percebeu o que ela pensava ser uma faca de bolso que encontra-se perto dos corpos. Mais tarde, foi determinada a ser uma faca que foi usada para matar as vítimas. Os ataques foram tão selvagem que a força das facadas inclinou a lâmina para trás cerca de 25 graus.

 

Sheila saiu correndo da casa e gritou para os vizinhos para chamar a polícia. Incrivelmente, Justin, Ricky e Greg estavam ilesos durante o ataque vicioso. Sheila voltou para a cabine para ajudar Justin e seus irmãos subir pela janela do quarto. Quando entrevistado, Ricky e Greg alegaram ter dormido e não terem escutado nada enquanto as declarações de Justin sobre o caso têm sido inconsistentes ao longo dos anos. Às vezes, ele afirma ter visto os assassinos, mas outras vezes ele diz que só tinha um sonho de ver os assassinatos ocorrendo. Neste sonho, ele disse que Sue é coberta com um cobertor e tenta parar o sangramento, colocando um pano em seu peito. Em outra história, ele alegou não ter visto nada em toda aquela noite. A polícia acredita que Justin tocou pelo menos um dos corpos, porque o sangue foi encontrado na maçaneta do lado de fora do quarto do menino. A porta do quarto do menino também estava parcialmente aberta, foi o que constatou quando o Gabinete do Xerife do Condado de Plumas chegou ao local.

 

O Suspeito mais provável

O escritório do xerife do condado de Plumas entrevistou um número de pessoas e isso produziu uma pessoa de interesse, Martin Smartt. sua esposa Marilyn e seus dois filhos (um dos meninos sendo Justin) viviam em Cabin 26 na mesma rua da cabine 28. Marty também tinha um amigo se hospedando com a família chamada Severin John “Bo” Boubede, a quem Martin tinha encontrado algumas semanas antes, no hospital VA, onde ele estava sendo tratado para PTSD. Sabe-se que Bo, Martin e Marilyn haviam passado pela cabine de Sue em seu caminho para o bar local no início da noite.

 

Marilyn afirmou ter chamado Sue para ir tomar algumas bebidas com eles, mas Sue recusou o convite. No bar Martin ficou irritado com a música que estava tocando e falou com o gerente sobre isso. Os três deixaram o bar, com Martin ainda chateado e voltaram para sua cabine. Marilyn afirmou ter assistido TV e, em seguida, ido para a cama. Martin disse que fez uma chamada telefónica para o bar para reclamar sobre a música mais uma vez e, em seguida, ele e Bo voltaram para o bar.

 

Logo após que a investigação começou, o Gabinete do Xerife do Condado de Plumas pediu ajuda do Departamento de Justiça baseado em Sacramento, Califórnia. Os detetives vieram e questionaram todos os três e concluiram que eles não estavam envolvidos, apesar do fato de que, durante a entrevista Marilyn disse aos investigadores que ela deixou Martin no dia seguinte aos assassinatos. Ela também mencionou que Martin tinha um temperamento violento e muitas vezes abusava dela, emocionalmente e fisicamente. Martin passou por um polígrafo em 17 de abril, mas passou no teste.

 

Cena do crime

Cena do crime

 

As entrevistas de Martin e Bo, no entanto, revelaram uma tentativa tímida pelos detetives para examinar os dois em qualquer profundidade, pedindo a cada um deles uma série de fáceis perguntas e não seguir quando surgiram discrepâncias. Durante a entrevista com Bo, um detetive mencionou que Bo era um policial aposentado – algo que ele nunca foi. Esta falsa suposição parecia conduzir os detetives para tratar com deferência indevida. No início da entrevista, Bo indicava que ele sabia em qual das cabines foi que os assassinatos foram cometidos, mas em direção ao meio da entrevista, ele disse que não sabia. Um dos detetives comentou: “Oh, eu pensei que você sabia. Bem, vamos indicá-lo para você no caminho de volta.” Por razões desconhecidas, Bo mentiu e disse que Marilyn era sua sobrinha, quando, na verdade, eles não estavam relacionados de alguma forma. Bo disse aos detetives que tinha vivido em Keddie um mês, quando na verdade ele tinha apenas estava lá em torno de 12 dias. Quando Bo afirmou que Marilyn estava acordada quando ele e Martin voltaram do bar pela segunda vez, os detetives não disseram nada sobre Marilyn dizendo que ela estava dormindo quando eles voltaram. Bo também mentiu quando disse que nunca tinha visto Sue Sharp. Na entrevista de Marilyn Smartt ela afirmou que ela e os dois homens tinham ido para a casa de Sua Sharp na noite dos assassinatos.

 

Além disso, Bo afirmou que chegou no bar entre as 21:30 – 22:00 mas depois mudou desta vez para 00:00 para caber seu álibi.

 

Durante a entrevista de Martin com os detetives, o descuido e desatenção aos questionamentos continuou. Martin disse aos investigadores que seu filho, Justin, poderia ter visto algo a noite dos assassinatos “… Esta observação gravemente implicava Martin nos assassinatos, mas os detetives ignoraram este fato. Martin seguiu suas incriminatórias, acrescentando que ele tinha ouvido um martelo que foi usado para bater nas vítimas antes que eles fossem esfaqueados até a morte. Então, sem avisar, ele voluntariamente disse aos investigadores que seu martelo tinha “desaparecido” antes dos assassinatos. Martin falava sobre as mortes das vítimas com exagero. Ele passa a descrever como se ele tivesse matado-os rapidamente e saido da casa o mais rápido possível, mas os investigadores ignoraram estes depoimentos dele também..

 

Depois de entrevistar Martin e Bo, os investigadores não fazem um acompanhamento direto do principal suspeito e ele acaba saindo da cidade e muda-se para Klamath, na Califórnia. Bo voltou para o hospital Reno VA. Em julho o Sheriff de Plumas County, Doug Thomas anunciou sua renúncia ao cargo por motivos desconhecidos. Um mês após os assassinatos de Keddie, Martin chama um terapeuta e diz ao médico que estava se sentindo responsabilizado pelas mortes.

 

Dez anos depois da morte de Martin, em 2000, seu terapeuta foi até o Gabinete do Xerife do Condado de Plumas e contou que Martin tinha confessou ter matado Sue Sharp. Ele também disse à polícia que Martin era amigo do Sheriff Doug Thomas e que Martin uma vez deixou Thomas morar com ele. O terapeuta admitiu que Martin disse a ele que bater o polígrafo foi fácil. Além disso, Martin disse que a razão que ele matou Sue foi porque ela estava tentando convencer Marilyn a se divorciar dele. De acordo com o terapeuta, Martin Smartt não confessou ter matado Dana, Johnny ou Tina e ele nunca disse que era responsável por seus assassinatos.

 

As revelações, pelo terapeuta, causaram um agito no escritório do xerife para dar outra olhada no caso, mas com Martin Smartt morto há muito tempo e Bo ter morrido de causas naturais em 1988, não deu em nada.

 

Após o assassinato de sua mãe e seus irmãos, os filhos sobreviventes da Sue Sharp foram viver com seu pai. A conversa finalmente parou sobre os assassinatos e logo ninguém pensou muito nos assassinatos brutais. Isto é, até 2002, quando um cineasta Josh Hancock assumiu o desafio de fazer um documentário sobre o que aconteceu na pequena cidade de Keddie. O filme inclui entrevistas com os membros da família Sharp e familiares de Wingate, com Marilyn e Justin e com vários membros de Plumas County. Hancock disse que seu motivo para fazer o documentário era colocar um holofote sobre um caso antigo que aparentemente foi varrido para debaixo do tapete. Ao fazer isso ele esperava trazer justiça às vítimas e suas famílias. Hancock acredita que o Gabinete do Plumas County Sherriff fez um trabalho descuidado sobre a investigação do crime. Em seu site, ele afirma: “Expor a verdade, um mentiroso de cada vez. Segure o Gabinete do Xerife do Condado de Plumas responsável!”

 

Muitas perguntas e abundam os rumores em relação a este caso de assassinato. Apenas uma pessoa relatou ter ouvido um grito vindo da área da cabine; no entanto, todas as cabines em Keddie estão literalmente metros de distância umas das outras. Por que qualquer outra pessoa não ouviu uma luta ou gritos vindo da Cabine 28? Além disso, como poderiam as crianças dormindo na casa não terem escutado nada, quando três pessoas foram brutalmente torturadas e assassinadas na sala ao lado? Por que Tina foi a única levada naquela noite? Por que os três rapazes mais jovens foram deixados ilesos?

 

A cena do crime foi substancialmente remendada.Um dos fatos condenantes da investigação foram que os oficiais simplesmente ignoraram o relato de Justin, dizendo que Tina havia sido levada na noite do crime. O que pouparia muito tempo de investigação e que deveria ser gasto na procura da garota, que talvez pudesse ser encontrada viva.
Alguns acreditam que o Gabinete do Xerife do Condado de Plumas era muito inexperiente para um crime desta magnitude. Outros acreditam que o departamento do xerife intencionalmente estragou e ocultou informações para proteger a identidade dos assassinos. Essa crença foi reforçada em 2010, quando o terapeuta de Martin Smartt revelou a confissão de Martin sobe a morte de Sue Sharp.

 

Até hoje o departamento do xerife recusa-se a discutir o caso e não olhar para ele mais. O departamento do xerife também não vai aceitar a ajuda de outras agências de aplicação da lei. Lamentavelmente, grande parte das evidências coletadas foi perdida pela aplicação da lei ou destruídas devido a um vazamento no telhado no escritório do xerife. Além disso, depois de três décadas nada foi feito com a impressão digital sangrenta que foi recolhido da cena. Por fim, muitos se perguntam por que o departamento do xerife deixou Martin e Bo ir.

Provas do crime

Provas do crime

Pós-horror

Após os assassinatos, Marilyn casou e se divorciou do melhor amigo de Martin. Consta que ela ainda está vivendo em Plumas County.

 

Se você perguntar a maioria das pessoas, eles provavelmente dirão que nunca ouviram falar de Keddie, a pequena cidade em Plumas County, Califórnia. Após os assassinatos, a comunidade vivia em estado de choque e medo. A atmosfera mudou. O outrora tranquila e pacífica Keddie, mas tudo foi abandonado pela maioria. A Cabine 28 tornou-se uma casa de horror das sortes. Embora pelo menos uma família tenha vivido na cabine após os assassinatos, os moradores dizem que a casa ficou abandonado há anos. Em 2004 a Cabine 28 foi demolida. Hoje, há apenas um punhado de moradores que chamam Keddie Resort casa.

 

A tragédia desses assassinatos foi agravada pela investigação fracassada que permitiu que os assassinos escapassem à justiça e que este se tornasse mais um caso esquecido.

~ por Vodevil em 12 de fevereiro de 2015.

6 Respostas to “O Horror de Keddie Resort – Um Caso Macabro Caído no Esquecimento”

  1. fiquei horrorizada com tanta crueldade mds

    Curtir

  2. Adorei a matéria, foi a unica que encontrei sobre este caso em português.
    Parabéns. Queria encontrar o documentário dublado, se alguém encontrar me passa por email.
    Obrigada.

    lily_hc_@hotmail.com

    Curtir

  3. Adorei

    Curtir

  4. Ninguem acha estranho o xerife não deixarem reabrir o caso? recusar ajuda de outras “forças” da lei? Boa parte das provas foram apagadas por um ‘vazamento” no telhado do mesmo?Aé e as amostras de sangue encontradas e não avaliadas pelo departamento?

    Curtir

  5. Com tanta violência no Brasil nada mais assusta

    Curtir

  6. sim, esse caso chama muita atenção por causa disso. Mas infelizmente parece que ninguém liga.

    Curtir

Deixe sua dúvida, elogio ou crítica e contribua com o blog!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: