Ed Gein


É possível que Ed Gein tenha matado “apenas” duas mulheres. Pela Classificação de Homicídios do FBI, tecnicamente nem poderia ser chamado de “serial killer”. Mas é um dos assassinos mais famosos de todos os tempos, tendo sido a inspiração de filmes como o de Hitchcock e “O massacre da serra elétrica”.

Ed Gein era o segundo e último filho de Augusta. Seu irmão, Henry, era sete anos mais velho. Augusta era muito religiosa, e ensinava diariamente aos filhos sobre os pecados do mundo, especialmente os que envolviam a maior das tentações: as mulheres. Sexo antes do casamento, por exemplo, nem pensar.

A mãe de Ed Gein

O pai de Gein bebia muito e também era subjugado pela esposa. Em certa época, apenas a mãe trabalhava. Ela conseguiu juntar algum dinheiro e mudou-se com a família para Plainfield, uma pequena cidade no interior do Estado de Wisconsin, longe dos perigos da cidade grande. Estabeleceram-se em uma propriedade na zona rural, perto da cidade.

Os colegas da escola de Gein zombavam dele, por ser tímido, e chamavam-no de “afeminado”. Não tinha amigos e, quando parecia iniciar uma amizade, sua mãe cortava. Assim, naquela casa, aqueles três homens viviam sob o império daquela mulher.

Em 1940, morre o pai. Os filhos de Augusta arrumam pequenos trabalhos na redondeza, para auxiliar o sustento. Eddie chega a trabalhar como babá, serviço que gostava – para ele, talvez fosse mais fácil ter contatos com crianças que com adultos.

Gein matou o irmão?

Eddie e o irmão, Henry, tinham algumas discussões. Henry percebia a tirania da mãe, o que chocava Eddie, que a via como um modelo de pureza. Henry morreu em 1944, em um incêndio perto da fazenda. Hoje, há suspeitas de que Eddie possa ter sido o autor, até porque o corpo dele foi encontrado em uma área não incendiada. Na época, não se pensou nisto e o caso foi tratado como uma morte acidental. Hoje, acredita-se que possa ter ocorrido um surto de agressividade de Ed por causa de algo que Henry tenha dito sobre a mãe, ou mesmo que possa ter sido um assassinato deliberado, para ficar sozinho com Augusta Gein.

Após a morte de Henry, restavam agora Eddie e sua querida mãe. Porém, ela logo sofreu um derrame e ficou incapacitada. Conta-se que às vezes Eddie deitava-se na cama com ela. No final do ao seguinte, 1945, ela morre. Sobrou apenas Eddie, 39 anos, sem parentes por perto, sem mulher, sem filhos, sem amizades íntimas.

Eddie manteve intocados os cômodos de sua mãe, e continuou a exercer trabalhos simples para sobreviver. Entre outros hábitos, lia livros de anatomia, obituários de jornal, revistas de horror, livros de guerra e coisas assim – e gostava de contar algumas histórias assustadoras para as crianças que cuidava.

No fim dos anos 40 e início da década seguinte, alguns casos de desaparecimento aconteceram no Estado. Hoje se suspeita que possam ter sido obra de Gein, embora as vítimas não combinem com suas duas vítimas conhecidas – sumiram duas garotas muito jovens, dois homens (apenas estes dois na cidade de Pleinfield, as outras foram nas proximidades). Aparentemente, os homens haviam contratado Ed como guia de caça. No sumiço de uma moça, Ed estaria nas proximidades, visitando parentes, na época. No desaparecimento de outra, viu-se um Ford branco nas redondezas – semelhante ao encontrado posteriormente na fazenda de Gein.

Matando senhoras

Em dezembro de 1954, a dona de um bar em Pleinfield, Mary Hogan, também sumiu. A polícia encontrou um cartucho no chão do bar. Seu corpo não foi achado e o caso não foi resolvido na época, por falta de evidências de autoria. Eddie tinha 48 anos. Esta seria a primeira morte que confirmadamente pôde ser atribuída a Ed Gein, anos depois. Mary, na visão de Ed, era uma mulher “impura”.

Novembro de 1957. A loja de Bernice Worden, 50 anos, foi encontrada assaltada e ela havia desaparecido. O último cliente foi Ed Gein – havia um registro disso no livro de vendas “fiado” da loja. Além disto, ele havia tentado marcar um encontro com ela, dias antes.

Objetos feitos com corpos

A polícia chegou à casa de Eddie. Estava uma bagunça, com lixo espalhado pelo chão. O cheiro era de coisas apodrecidas. Era noite e o oficial usava uma lanterna. No celeiro, andando com dificuldades por causa das coisas que tropeçava, ele sentiu seu corpo bater em algo. Iluminando o “objeto” que esbarrou, ele viu que era uma carcaça, aberta e dependurada. Por instantes, chegou a pensar ser a de um animal. Era época de caça. Mas logo viu que era a de um ser humano! Era o corpo de Bernice. Faltava-lhe a cabeça. Órgãos já haviam sido retirados. Supostamente, alguns, como o coração, já estariam em uma panela.

Isto não foi a única coisa encontrada na casa. Um abajur feito de pele humana. A vasilha de sopa era o topo de um crânio. Havia mais: um cinto feito de seios; uma genitália preservada, em uma caixa; narizes, uma cabeça, um coração. Por fim, toda uma roupa costurada com pele humana. E muito mais “acessórios”, muito mais…

As pessoas que o conheciam assustaram-se muito. Para elas, Ed era “uma boa pessoa”, apesar de possuir um estranho senso de humor.

Necrófilo

A princípio, Ed ainda tentou negar o crime, mas no dia seguinte começou a falar, embora afirmasse não se lembrar de muitos detalhes, dizendo que estava confuso quando tudo aconteceu – dizia mesmo não se lembrar de ter dado um tiro nela. Falou também dos vários furtos de corpos no cemitério. Demorou mais alguns dias para confessar o assassinato de Mary Hogan – segundo suas lembranças, matou-a acidentalmente. Segundo os interrogadores, não havia remorso, não havia percepção da barbaridade dos seus atos.

Na casa de Eddie, encontrou-se partes de cerca de uma dezena de mulheres, fora as duas que certamente matou. Inclusive da própria mãe dele. Dizem que foi encontrada a vulva dela, pintada de prata.

A investigação descobriu que Ed violou três cemitérios da redondeza, e que pode ter chegado a ter aberto até 40 covas. No começo do seu “hobby”, Eddie tinha a ajuda de um amigo, Gus, coveiro, que era meio “lesado” e achava que Ed fazia experimentos científicos. Gus, tempos depois, foi internado em um asilo e morreu. Eddie passou a trabalhar sozinho.

Eddie, aparentemente, sonhava em ser mulher, brincando com os órgãos cortados de suas vítimas, dançando com a roupa de pele humana que fez. Em uma ocasião, mostrou uma cabeça, em sua cama, a um garoto que foi à sua casa. Disse ser uma relíquia vinda de longe. O garoto contou a outras pessoas, que não deram bola à história.
Ele negou necrofilia: “Elas cheiravam muito mal.”.

Durante o processo, foi alegada insanidade e ele passou por uma bateria de avaliações. Concluiu-se que seus problemas com o sexo oposto, amor e ódio, vinham de sua relação intensa com a mãe.
Insano

Foi considerado incapaz para o julgamento, e foi para instituição mental. A população de Plainfield estava revoltada, especialmente porque a cidade virou um pólo “turístico”, e estava repleta também de jornalistas. No ano seguinte, a casa de Eddie foi incendiada. Eddie, ao saber disso, disse apenas: “Tudo bem!”.

Após dez anos em tratamento, foi considerado apto a ir ao tribunal.
O estranho Ed Gein…

Em 1968, foi julgado culpado. Porém, como estava doente quando cometeu os atos, sua condenação foi passar o resto de sua vida em um hospital psiquiátrico para criminosos.

Segundo descrições, passava a maior parte do tempo sozinho, mas parecia feliz. Lia e realizava as terapias ocupacionais com desenvoltura. Às vezes, olhava fixamente para enfermeiras e outras mulheres, deixando-nas desconcertadas. Foi um dos poucos pacientes que passaram pelo hospital que nunca necessitou de uso emergencial de medicamentos calmantes.

Perto da mãe, novamente

O serial killer Ed Gein morreu em 1984, de câncer, aos 77 anos. Foi enterrado em Plainfield, perto de sua mãe.

~ por Vodevil em 28 de novembro de 2009.

Deixe sua dúvida, elogio ou crítica e contribua com o blog!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: